LEGO Dimensions: testamos o game que promete revolucionar a franquia

LEGO Dimensions: testamos o game que promete revolucionar a franquia

Se você é um colecionador de LEGO, sabe que a empresa que dá nome ao brinquedo é famosa por utilizar bem o conceito de “montar e desmontar”. Com LEGO Dimensions, um dos próximos games da marca, ela levou essa ideia ao máximo e reinventou o gênero de jogos que mistura o virtual com o real, por meio de bonecos e miniaturas.

Leia Mais: LEGO The Big Bang Theory ganha preço e data de lançamento

Após conferir o game de perto, na E3 2015, fiquei bem impressionado com o resultado. Ao sentar no banco e começar a seguir a explicação do representante do estande, logo pensei: “Legal, é mais um jogo LEGO, que são sempre divertidos, mas como esse vai me surpreender?”. A resposta veio pouco tempo depois, quando as peças começaram a fazer a diferença.

No controle de Batman, Gandalf e Wildstyle, os três personagens centrais da trama, o jogador é convidado a explorar os cenários e fazer o que está acostumado a fazer em games de LEGO: destruir tudo o que vê pela frente, remontar peças soltas e resolver quebra-cabeças. Mas isso aqui é apresentado de forma ainda mais criativa, com o uso de brinquedos reais, posicionados em um portal.

O portal é ligado no videogame e tem espaço para até seis bonecos, mais um veículo ao centro. O veículo faz a diferença na jogabilidade, já que carrega um de seus personagens com mais rapidez e também pode passar por barreiras mais difíceis, porém de forma tranquila. Além disso, os seis possíveis espaços também são utilizados para a resolução de quebra-cabeças, e é aí que mora o segredo de Dimensions.

Em vez de seguir a fórmula clássica – pegue o boneco, coloque na base e jogue –, LEGO Dimensions se preocupa em fazer com que o jogador interaja a todo o momento dentro do game, com o uso da base e dos bonecos reais. Será necessário trocá-los de lugar, posicionar de um lado diferente do portal e até mesmo retirá-los temporariamente em outros casos.

O momento mais impressionante, porém, foi a possibilidade de desmontar um veículo, remontá-lo de forma diferente, e o jogo reconhecer isso para destravar um novo caminho. As possibilidades com LEGO já são quase infinitas, e o game abre ainda mais esse leque de ações e possíveis usos do brinquedo.

E por falar em possibilidades, espere que LEGO Dimensions tenha uma vida bem longa. Além da demonstração, pude conferir de perto as caixas dos futuros produtos dessa linha que vão chegar às lojas. Eles funcionam como LEGOs regulares, mas são voltados para o jogo, com sensores embutidos – seja nos veículos ou nos personagens.

Estão previstos pacotes de Ninjago, DC Comics, O Senhor dos Anéis, Scooby-Doo, De Volta para o Futuro e até mesmo Portal, o jogo da produtora Valve, com direito a uma fase exclusiva dentro do game, que vai te fazer pensar bastante para resolver os puzzles.

As caixas pareciam bonitas e os brinquedos devem manter a qualidade LEGO, o que era de se esperar. O grande problema, porém, é que aproveitar o game em sua totalidade deve ser algo bem caro, já que cada pacote extra destrava um personagem ou veículo, além de, possivelmente, habilitar novas fases.

Contudo, o que podemos concluir disso é que a LEGO ainda sabe fazer bem o que sempre fez: desconstruir e construir de novo em um formato diferente. Dimensions é a prova disso e espero que a qualidade no produto final mantenha o que acompanhei na demonstração da E3.

Leia também:

Clássica Ferrari F40 ganhará versão em LEGO

Legoland Hotel: resort é o sonho de crianças e colecionadores de LEGO

Jornalista que adora esses brinquedinhos de montar desde os anos 90

Share